<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, setembro 14, 2004
Com muita irregularidade nos últimos dois meses (e sem anúncio de não escrever...) vou tentar retomar a escrita no blog a partir de hoje.

IMAGENS DE CINEMA
Fui ontem ver o Terminal de Aeroporto de Steven Spielberg. Uma história sobre a América fechada, sobre a dificuldade de comunicação, sobre o amor dos filhos para os pais, sobre o amor entre os homens e as mulheres, sobre a solidariedade, sobre a américa que se abre, apesar de tudo. Filme também sobre a linguagem como assinalou João Lopes, no DN de sábado.
Vale a pena estar atento aos 3 ou 4 primeiros planos do filme, plano do painel das chegadas de aviões, dado em picado e contrapicado com as letras a marcarem rapidamente posição para a a nossa leitura. Nesses primeiros planos se simboliza essa ligação (neste caso à escrita, como noutros momentos também nomeadamente no tocar as letras do écrã de televisão ou nos autógrafos dos músicos de jazz) bem como toda a criatividade de um filme que se passa na monotonia de um terminal de aeroporto. Mas Spielberg faz-nos esquecer essa monotonia contando uma história enternecedora com um Tom Hanks cheio de vitalidade que dá gosto ver .
 
José Carlos Abrantes | 1:19 da tarde |


0 Comments: