<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, novembro 11, 2003
IMAGENS: A COR, o verde

Um dos elementos essenciais na imagem, em todas as imagens, é côr. Quem terá mais contribuído para eu dar atenção à cor terá sido Michel Pastoreau, um erudito da côr, que tem um livro traduzido em português, Dicionário das cores do nosso tempo. Com ele aprendi como as cores têm variado no tempo, como a côr, sendo uma propriedade dos objectos, é também uma construção social. Basta lembrar que em tempos não muito recuados as noivas se vestiam de encarnado, pois era essa a côr que conseguia melhor qualidade no tecido.

Mas hoje, é de verde que tratarei pois tenho à minha frente o livro Vert, de uma editora chamada Du May (Paris, 1994). A colecção tem livros dedicados a todas as côres: tenho apenas o dedicado ao verde e o dedicado ao branco. Estes livros são verdadeiros objectos de prazer visual pois organizam texto e imagem (sobretudo esta) com uma qualidade invulgares.


6 que é o verde?

O verde é a natureza, as plantas
O verde é a saúde, a farmácia
O verde é o jogo, o forro verde das mesas de jogo
O verde é a liberdade de acção, o semáforo verde.

Neste livro pode ver que a história atribuíu diferentes papéis ao verde. Antes, o verde foi cor do jogo, cor do dinheiro, cor do diabo, cor da superstição. Recentemente coisas positivas se lhe associaram como a juventude, o preço verde ( mais económico) ou as gasolinas menos poluentes e a luta ambiental em geral (os verdes).

Pastoreau conta logo na abertura do seu dicionário como o verde, que, em tempos, foi usado para dar a côr do mar, deu depois lugar ao azul. Provavelmente, diz, o verde foi preciso para, nos mapas, colorir as zonas verdes.

No livro da Du May pode ver imensas pinturas em que o tom verde é dominante ou muito marcante. Ou fazer uma viagem pelas árvores verdes, as aves verdes, o verde do camaleão ou o verde do crocodilo, as borboletas verdes, o verde da tília, o verde do chá, o verde garrafa ou o verde esmeralda. Decididamente um livro feito fora de Portugal pois não tem referência ao verde…dos leões de Lisboa.

______, Vert, Paris, Du May, 1994

PASTOREAU, M., Dicionário das cores do nosso tempo: Simbólica e sociedade, Lisboa, Editorial Estampa, 1993
 
José Carlos Abrantes | 11:24 da tarde |


0 Comments: