<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, setembro 05, 2005
IMAGENS E OLHAR

Num texto meu que será publicado em breve pode ler-se: "(...)o conhecimento passa hoje pelo olhar mas muitas vezes esse olhar é fabricado pelas imagens construídas, fabricadas por processos numéricos, de cálculo. Crary sustenta que o olho humano perde pouco a pouco a maior parte das propriedades que teve no curso da história. Nas imagens actuais perde-se frequentemente a posição ocupada pelo observador no mundo real, deixa de se ver como o olho humano veria, segundo as leis da óptica. Se há alguma coisa para que essas imagens reenviam é para os bits da informação electrónica e da matemática (Crary, 1994, 20)."

O citado é CRARY, J., L'art de l'observateur: Vision et modernité au XIX siécle, Nimes, editions Jacqueline Chambon, 1994 (1ª edição em língua inglesa 1990)

Na última página de hoje do Público refere-se uma imagem construída pelo robót Spirit, em, Marte desde Janeiro de 2004. O robô subiu um monte mmarciano de 82 metros de altitude, tarefa em que se empenhou 14 meses, e agora tirou uma imagem panorãmica a 360 graus. é uma ilustração interessante do pensamento de Crary: neste caso, nenhum olhar humano viu o que "viu" o robôt. É também interessante esta mediação tecnológica que cada vez mais se interpôem entre o que é visto e quem vê.

Poderá ver as imagens tiradas pelo Spirit no sítio da NASA .
 
José Carlos Abrantes | 11:27 da manhã |


0 Comments: