<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, novembro 22, 2005
PROVEDORIAS 4

Também Marcelo Beraba dedicou grande parte da sua crónica à violência em França e suas implicações com a imprensa.

"A violência que explodiu nos subúrbios pobres de Paris e se espalhou pela França desde o final de outubro também atingiu, como não poderia deixar de ser, a imprensa francesa.
Um aspecto importante da cobertura foi a descoberta de que os jornalistas não eram bem-vindos. Os profissionais escalados para a linha de frente sofreram com a hostilidade e, em várias ocasiões, foram recebidos com agressões pelos moradores dos bairros conflagrados, que não fizeram distinção entre repórteres, policiais, bombeiros ou políticos. Para eles, era tudo igual.
O próprio repórter da Folha, Fábio Victor, sentiu na pele o ambiente hostil, como relatou na reportagem "Cidade onde tudo começou é assustadora", enviada de Clichy-sous-Bois e publicada domingo passado."
 
José Carlos Abrantes | 5:47 da tarde |


0 Comments: