<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, fevereiro 06, 2006
O PODER DAS IMAGENS

A polémica que se está a estender ao mundo sobre as caricaturas de Maomé está a deixar de lado uma questão essencial: a dos poderes das imagens. As imagens são vistas como a representação, ou seja, algo que torna presente o ausente. Deixam-se de lado os seus poderes tranformadores (levando pessoas a agir) e o envolvimento que nos engloba dentro delas pela partilha e que se prolonga no interior de cada um. Ou seja, neste caso, se é verdade que a questão da representação assume importância, mais vital se revela o que as pessoas fazem por causa das imagens e como se sentem nelas implicadas, por fora e por dentro. Na sua acção e no seu íntimo. O significado das imagens não é tudo. Há partilhas e acções que assumem maior relevo. Talvez por que as imagens têm "poderes" além daqueles que tradicionalmente lhes atribuímos.
 
José Carlos Abrantes | 9:00 da tarde |


0 Comments: