<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
domingo, abril 09, 2006
IMAGENS DE TELEVISÃO

O segundo artigo publicado sobre o ciclo Falar Televisão, Televisão: (Re)descobrir os princípios, dava relevo a uma carta de princípios que tinha sido então preparada e dada a conhecer na France Télévisions, a televisão pública francesa. O primeiro colóquio foi com Didier Epelbaum, que havia sido o primeiro provedor de France 2 e o coordenador dessa carta de princípios.

"A televisão deve ser feita seguindo a “ditadura das audiências”, sem respeitar quaisquer princípios, ou deve ser fabricada respeitando princípios éticos, morais, deontológicos, jurídicos, e procurando, neste enquadramento, as maiores audiências possíveis? Julgo ser defensável que, quer a televisão pública quer a televisão comercial, se devam reger por princípios claramente explicitados e, claro, levados à execução. Nem uma nem outra podem emitir ofendendo leis constitucionais (por exemplo, Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei, artigo 13 nº 1 da Constituição. Este único princípio daria “pano para mangas” se juristas e estudiosos dos media se debruçassem activamente sobre a dignidade social dos cidadãos representados nos écrãs). Será também aceitável que o serviço público deva ter um enquadramento jurídico, ético, deontológico mais rigoroso do que as televisões comerciais (não havendo escapatória, para uns e para outros, do respeito das leis e contratos de concessão)."

Será que hoje a televisão pública tem uma carta de princípios que o público possa conhecer?
 
José Carlos Abrantes | 9:49 da tarde |


0 Comments: