<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quarta-feira, julho 05, 2006
PROXIMIDADES


 
José Carlos Abrantes | 12:47 da manhã |


1 Comments:


At 7:44 da tarde, Blogger Naeno

Nutro por PORTUGAL uma admiração, com vontade de vê-lo perto, que, de tanto sonhar, já compus algumas músicas para Ele.
Tuto que vi do teu trabalho é bonito não teria a dizer além disso.

CALMA

Olando o Tejo,
eu vejo mais meu Portugal.
E não me ocorre,
nesse momento, nenhum mal.
O bem maior, são as lembranças,
que com Ele pasam,
e dels lembro,
com um sabor da uva passa.

O que é ser rio e não correr,
o que é ser água e não poder,
matar a sede de quem passa
tão fatigado.

FARDO
São tantas vinhas e fados,
são tantas minhas saudades,
são tantos mares serenos,
são tantos ais, são venenos,
são tantas marcas no corpo,
tantas lembranças de um porto.
Tantos destinos havia,
o céu tantas terras cobria,
são mais os ventos que guiam,
que o meu coração que cativas.

Te vendo eu me alucino,
e talvez seja,
o destino que eu ganhei,
esta parada,
a distância que eu ainda
não gostei,
e a vontade de beijar-te.

SEMENTEIRA
Aos ventos obedeço, reverente
e dou minh'alma leve,
prá que levem,
aos céus, às naus distantes,
à mercê dos anjos,
prá asssim, me condenarem
no que devem.

Às chuvas meu olar entregarei
e aceitarei o tempo bom de fecundar,
meu ventre ardendo, o bem, que há na terra,
e o sangue dos filhos que vou deixar.

com carinho, um português esquecido por estas bandas.