<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
domingo, outubro 05, 2003
CINEMA

Quem foi Elia Kazan e o que representa a sua obra? Imprescindível ler João Lopes no DN, de ontem: "O que está em causa é algo que Kazan tão genialmente colocou em cena nos seus filmes. O que está em causa é a compaixão. A saber: a capacidade de olhar cada ser humano, não como a expressão linear de um «conceito» ou uma «ideologia», mas sim como um turbilhão de coisas ditas e não ditas, de elementos racionais e irracionais, de factos transparentes ou indecifráveis. Para Kazan, somos sempre seres de desejo e, por isso mesmo, verdadeiras galáxias de sentidos visíveis e significações invisíveis." Vá ler, pois Kazan fica mais claro e transparente. Mesmo que a sua solidão aumente...
 
José Carlos Abrantes | 7:55 da tarde |


0 Comments: