<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quinta-feira, outubro 09, 2003
IMAGEM MÉDICA A imagem médica voltou a ser notícia, terça feira, no Público, pois o Prémio Nobel da Medicina foi entregue a dois investigadores deste domínio.
.
"O Instituto Karolinska, o organismo sueco responsável por anunciar o Nobel da Medicina, laureou este ano dois investigadores pioneiros no uso da ressonância magnética nuclear. O trabalho desenvolvido pelo norte-americano Paul Lauterbur, de 74 anos, e pelo britânico Sir Peter Mansfield, de quase 70, ambos físicos, durante a década de 60, trouxe à medicina a possibilidade de explorar bidimensionalmente o corpo humano de uma forma mais inócua. Passados mais de 30 anos sobre os primeiros passos na aplicação da ressonância magnética à medicina, mais de 60 milhões de exames destes são feitos por ano em todo o mundo.

Os primeiros trabalhos de exploração das potencialidades dos núcleos atómicos influenciados por campos magnéticos potentes surgiram na década de 40. Descobriu-se então que a energia dos núcleos atómicos de hidrogénio podia aumentar com a absorção de ondas de rádio na mesma frequência, e que quando os núcleos voltavam ao nível inicial, estabilizando, essas ondas de rádio eram emitidas, provocando ressonância.

Pelo trabalho desenvolvido nesta área, Edward Mills Purcell e Félix Bloch ganharam em 1952 o Nobel da Física. De início, a técnica fez furor, por exemplo, na análise das estruturas bioquímicas. Há que não esquecer que o hidrogénio está presente na água, elemento essencial da vida.

Provavelmente, até aqui pouco percebeu sobre a importância desta técnica. Mas se lhe contarmos que, durante a década de 70, Paul Lauterbur e Peter Mansfield trataram de aplicar estes princípios à captação, de forma o mais inofensiva possível, de imagens do interior do corpo humano, por meio daquilo a que hoje chamamos imagens de ressonância magnética nuclear, talvez já lhe diga um pouco mais. "

Aqui se tem chamado a atenção para que as imagens de hoje estão a ser construídas sob um paradigma diferente daquele que durante séculos comandou a fabricação de imagens. De facto, com este tipo de imagens já não se constroem imagens sob o modelo do que o olho humano vê, sob os modelos da visão natural, mas sim sob uma perspectiva do que o olho humano não pode ver, neste caso, o interior do corpo.
 
José Carlos Abrantes | 12:37 da tarde |


0 Comments: