<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, abril 12, 2004
IMAGENS E RELIGIÂO

Vi ontem o “Arrêt sur Images” . O essencial da discussão foi para o filme de Mel Gibson, A Paixão de Cristo com vários outros pontos de interesse, nomeadamente o Haiti, aproveitando a presença de Regis Debray (que aí fez várias missões).
Fica no ar o profissionalismo da equipa de Arrêt sur Images adequando o grande tema do programa ao dia de Páscoa e mostrando como se preparam peças pertinentes para entrarem na narrativa que um programa de televisão constrói. A presença de Régis Debray deu também um toque de conhecimento e de erudição ao programa, ele que se interessou pela narrativa dos testamentos e pelos discuros das religiões.
Foram muitos os aspectos relevantes na discussão do filme, como, por exemplo, a diferença da representação na pintura (coisa mental) à representação no cinema (que pretende obter o efeito de real) ou a identificação que os receptores podem fazer com as imagens num exemplo de uma pintura de um Cristo com o corpo massacrado pelas doenças da época, pois a obra terá sido feita para um local onde leprosos e outros doentes se deslocavam. No fim ficou o apetite da nova obra de Debray que equipara a arrogância mediática da época moderna com a arrogância de outros tempos, da religião. E o objecto da análise, embora não directamente mencionado, é o Le Monde, que o mediólogo intitulou de jornal oficial dos actores sociais.
 
José Carlos Abrantes | 10:15 da manhã |


0 Comments: