<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
domingo, março 28, 2004
GOYA

Na última página do Público de ontem fala-se do livro da Taschen sobre Goya e sobretudo do 3 de Maio de 1808, pintura que retrata o fuzilamento de 400 espanhois pelos invasores franceses. São muitos os casos em que a arte cruza o real. Neste caso o pintor, apesar de não ter assistido aos fusilamentos, consegue exprimir, de forma sublime e assustadora, o que deve ter sido o horror da carnificina. "Olhando para o quadro, contudo, parece que o pintor está imergido na cena." Quase como uma fotografia.
Mas estamos num contexto pré-fotográfico: "É extraordinário o modo como a pintura retira a dimensão de uma credibilidade ou verosimilhança que a fotografia obriga a respeitar, e atira-nos para um outro universo de excepção, que é a crítica do real."

A pintura usou muitos outros acontecimentos reais criando obras de grande valor estético. Basta recordar A Jangada da Medusa, de Géricault ou A Liberdade conduzindo o povo, de Delacroix
 
José Carlos Abrantes | 8:17 da tarde |


0 Comments: