<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, outubro 26, 2004
LENDO IMAGENS

Ainda não acabei mas está quase. Hoje li o capítulo sobre Picasso, A imagem como violência. Coitada de Dora Maar, uma das amantes de Picasso. Diz Manguela: “ A conjugação de Dora Maar e Guernica propõe um novo paradoxo, sugerindo que um acto deliberado de crueldade privada pode ser transformado numa imagem pública que condena a crueldade.” E mais à frente: “..faltava a Picasso toda e qualquer compreensão do que um sofredor espera: a presença de outro ser humano, capaz de reconhecer a dor e emprestar um ouvido e um ombro solidários, e não apenas um olho talentoso.” Ou de como um artista como Picasso nunca ouviu, certamente, aquela canção brasileira “Encosta a cabecinha no meu ombro e chora. E conta as tuas mágoas todas para mim”. Será que era do Roberto Carlos?
 
José Carlos Abrantes | 10:27 da tarde |


2 Comments:


At 10:24 da manhã, Anonymous McFly

Acho que a referida música é de Fagner.

Li este livro há menos de um ano mas havia perdido a noção e, à primeira leitura, não percebi o quanto sou Picasso.

...o quanto sou Picasso. Voltei a estes páramos por causa de três imagens e uma busca por quem já fui.

 

At 7:12 da tarde, Blogger Lidiane

Pois eu sempre achei que canção fosse do Fábio Júnior.

hunf!