<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, outubro 11, 2004
LENDO IMAGENS

Estou a ler o livro de Alberto Manguel, Lendo Imagens já referido a 23 de Setembro. Li apenas três capítulos do livro: a imagem como narrativa (sobre o quadro de Van Gogh, Barcos na praia de Saintes-Maries), a imagem como ausência (sobre o quadro Dois Planos, de Joan Mitchell) e a imagem como enigma (A virgem e o menino à frente de um guarda-fogo atribuída a Robert Campin). Estou a achar o livro uma reflexão muito interessante. Alberto Manguel faz prova de uma grande capacidade de reunir informação sobre as imagens que analisa, revelando também grande agilidade relacionando factos e interpretações. E sobretudo deixando-nos um espaço de liberdade, mesmo uma liberdade histórica, que permite relativizar as leituras passadas e presentes. Exemplo: a propósito da imagem da Virgem diz Manguel: “Ao lê-la hoje, emprestamos à pintura uma abundância de detalhes curiosos (…) dos quais o artista não podia ter ideia; nós mesmos é claro, não podemos saber que capítulos novos serão acrescentados à história das leituras futuras. “ Onde está o sentido das imagens? Nelas, apenas, ou também em nós que lhes vamos acrescentando sentidos que nem o artista podia prever?
 
José Carlos Abrantes | 9:38 da tarde |


0 Comments: