<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quinta-feira, fevereiro 24, 2005
OS ÉCRÃS


Os écrãs estão cada vez mais presentes nas nossas vidas. No metro por exemplo. Rita Pimenta , no Público, indigna-se com o volume de som, “quase sempre elevado” e impeditivo de ler, conversar, etc. Acho que a solução que propõe- a legendagem –pode ser interessante, mas bastaria de facto um volume ajustado que permitisse ler a quem lê, falar ou apennas estar sem sentir esse incómodo.

Como os écrãs não se desligam e aparecem ligados cada vez mais écrãs por todo o lado, valeria a pena reflectir sobre eles. Aproveito a boleia da Rita Pimenta e, já agora, de Serge Tisseron: “Ensinámos aos nossos filhos a não entrarem no carro de pessoas que lhes oferecem bombons entreabrindo-lhes as portas. É preciso agora ensiná~los a nao se deixarem levar pelas imagens lhes oferecem um bombom atrás do écrã.” Esta num livro editado pela Ambar.

Serge Tisseron, As crianças e a violência nos écrãs: a influência da televisão, cinema e jogos de computadores nas crianças, Porto, ambar, 2004 (1a edição francesa 2000).
Ainda não leu? Não perca…sobretudo se tem filhos em idades de ver muita televisão.
 
José Carlos Abrantes | 11:48 da tarde |


0 Comments: