<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quinta-feira, abril 07, 2005
DA SEMIOLOGIA ÀS RELAÇÔES COM AS IMAGENS

As imagens também são objecto de análise. Dá sempre gosto ler o que pessoas especialmente qualificadas encontram nas imagens, na sua análise. Duvida? Leia por exemplo a crónica de ontem de Miguel Gaspar, no DN, sobre a série Columbo , agora a cores, na RTP. Ou a análise de Bernard Géniès, na Visão de hoje, 5a feira, sobre a Gioconda.

É com prazer que se lêem tais textos. Mas não devem retirar-nos (em geral acrescentam...) a capacidade de reflectirmos sobre a relação de cada um de nós com tais imagens. Que ligação temos a elas? Que sabemos delas? Trazem-nos alguma informação? Desencadeiam algum sentimento ou pensamento? Algo na nossa vida se liga a elas? Somos mais como Columbo ou como os outros personagens da série de televisão? Iríamos ao Louvre só para ver a Mona Lisa, agora no novo contexto? Como transportamos essas imagens, em nós? Afinal, um sem fim de questões. Que nos conduzem a uma reflexão sobre a alteridade, pois a imagem é outro mundo, o mundo da ilusão, mesmo realista. E da realidade dessa ficção que nos envolve as vidas. Alteridade que é mais reconhecível nas imagens de nós mesmos como reconhece Agustina Bessa Luís: “Lido mal com a minha imagem.” São muitos os que assim sentem na descoberta de outra coisa que é diferente de si mesmo: a imagem de si.
 
José Carlos Abrantes | 12:49 da tarde |


0 Comments: