<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quinta-feira, novembro 17, 2005
A CONSTRUÇÃO DO OLHAR

Recebi da Amélia Muge, que esteve ontem presente no lançamento, este email:

"Aqui vão os meus parabéns pela excelente abordagem. Para lá da pertinencia do tema, o livro representa - e isso sentiu-se bem no encontro de apresentação - um percurso e a criação de cumplicidades. Um percurso que não se pretende único, mas apenas o produto de " uma troca de olhares".
Sensibilizou-me muito por isso, a fronteira assim conseguida entre os saberes e as informalidades do tempo, do espaço e das gentes que se comunicam com prazer e apreço uns pelos outros. Agora insisto - os aspectos " audíveis" da imagem ( que vão muito para além da questão do ser ou não ser audio- visual) são não só complementares (e até em alguns aspectos com abordagens semelhantes),como em termos de comunicação apontam para as sinestesias que o olhar ou o ouvir provocam.Há um olhar de olhares, onde a visão é apenas um dos componentes. Aliás, esta abordagem é imprescindível se se quiser reflectir sobre " a construção do olhar" no invisual. E isto, irónicamente, se pensarmos na ecologia da imagem, faz com que em muitos casos, o invisual até possa ter um olhar mais " saudável"
sobre muitas coisas. Um dos músicos com quem trabalho, o José Manuel David dos Gaiteiros de Lisboa, invisual, ensinou-me mais sobre isto que não sei quantas literaturas já lidas por mim sobre estes assuntos. E é claro que quando falo de escuta, não estou só a falar de música, mas sobretudo de " imagem sonora".
De qualquer forma, cá fico a aguardar, com espectativa, a saída do já
prometido."

A Amélia Muge exprime algo que por vezes há tendência a esquecer. É que as imagens raramente estão sós: ora são acompanhas pela voz e pelo som, ora pela presença de outras imagens. Uma imagem com som é outra imagem. Voltarei ao assunto proximamente. Também às imagens sonoras.
 
José Carlos Abrantes | 12:57 da manhã |


0 Comments: