<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
sexta-feira, março 31, 2006
LER OS MEDIA
O QUE É, para si, esta imagem?

Bertillon

O Mário colocou o nome Bertillon, num comentário a este post. Sim, claro. Adolphe Bertillon. Mas que relação temos com estas imagens? A mais directa e imediata. De facto, cada um de nós já fez fotografias para o bilhete de identidade ou outro documento de identificação. Felizmente, poucos de nós, fizemos fotografias para identificação depois de um acto ilícito. Quer num quer noutro caso, estamos ligados à imagem proposta de Bertillon que viveu entre 1853 e 1914. Em 1882, Bertillon cria um serviço de identificação junta da polícia. Toda a pessoa que era detida devia dar origem a uma ficha onde eram anotados sinais fiscos particulares como cicatrizes, traços formais do nariz e da boca e descrição de sinais corporais característicos como as orelhas. E claro, a ficha era completada por fotografias de face e de perfil do detido. A orelha era considerada um desses sinais físicos que marcavam as características individuais e de dificil dissimulação. Um olhar longe do encanto que poetas e românticos lançam sobre esta, como outras, partes do corpo.
Bertillon escreveu La Photographie Judiciaire, em 1880 e nunca compreendeu a importância das impressões digitais, tendo-se oposto a este método de identificação.

Ver Frizot, M., Histoire de Voir, Le medium des temps modernes (1880-1939), Paris, CNP, 1989.
Histoire de voir
 
José Carlos Abrantes | 12:54 da tarde |


3 Comments:


At 1:42 da tarde, Blogger LA

Muito interessante... Mas, numa avaliação impressiva, parecem pai e filho, tanto na fisionomia como nas orelhas. Serão?

 

At 2:03 da tarde, Blogger José Carlos Abrantes

Não tenho informação sobre isso. Acho muito interessante que, para a sua leitura, tenha pegado nas hipotéticas relações familiares....

 

At 3:50 da tarde, Anonymous Mário

O Preto e branco e os bigodes fazem-nos pensar em tempos já passados (mas há 35 anos ainda os retratos de identidade ainda eram maioritáriamente a preto e branco). Mas esse mesmo tipo de imagem reporta-nos a algo que ainda hoje fazemos (ir tirar o retrato para os documentos necessários) embora em muitos casos já seja através de sistemas de video do que fotográficos.