<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, março 27, 2006
A VIOLÊNCIA NA TELEVISÃO

José Carlos Abrantes

(publicado em 1995, no Diário de Notícias)


"É fácil constatar que os anos 90 se iniciaram sob o signo da violência: basta lembrar a dramática guerra civil em Angola ou o desvastador conflito na ex-Jugoslávia. Infelizmente não será, porém, excepcional o caminhar deste anos que precedem o mítico 2000. Nos anos 40 a Europa esteve a ferro e fogo sob o domínio de Hitler. Nos anos 50 estalou a Guerra da Coreia, prolongou-se o conflito na Indochina e, simultaneamente, multiplicaram-se as acções dos movimentos de libertação dos países colonizados. Nos anos 60 os EUA e o mundo testemunharam, estupefactos, os assassínio dos irmãos Kennedy e de Martin Luther King, bem como os horrores da guerra do Vietnam. Nos anos 70 um comando palestiano atacou o espírito olímpico em Munique e, em Itália, as Brigadas Vermelhas fizeram lei. Os anos 80 foram marcados pela ocupação do Afeganistão pela ex-URSS , ofensiva militar que provocou a partida de centenas de milhar de refugiados para o Paquistão. A esta violência política, militar ou social juntou-se um progressivo sentimento de insegurança para os cidadãos, sobretudo nas grandes cidades. A violência presente na ficção e na actualidade televisiva bem como nos actos do quotidiano citadino trazem este tema, com alguma regularidade, para o palco dos média e da discussão pública. A questão central deste problema resume-se em saber se as constantes cenas de violência exibidas na televisão se repercutem na vida de todos os dias."

Ver texto integral aqui
 
José Carlos Abrantes | 7:59 da tarde |


0 Comments: