<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
sexta-feira, março 24, 2006
PALAVRAS SOBRE IMAGENS

estou a recuperar textos antigos, publicados aqui e além, que vou encontrando nos arquivos. E estou a publicá-los aqui. É certo que, anos depois, a sensação é estranha pois certos aspectos deixaram de ter pertinência, outros desvaneceram-se na bruma do tempo.

"GUTEMBERG E A TELEVISÃO

Um dia alguém terá querido apoucar a ideia de Gutemberg criar a imprensa . Se quase ninguém sabia ler, para que iria servir uma máquina de imprimir livros? Gutemberg terá respondido: para se aprender a ler. Como sabemos, não se enganou.
É estimulante pensar que, se Gutemberg tivesse inventado a televisão, talvez respondesse aos cépticos actuais que lhe observassem ser o esforço desta criação inglório (pois os espectadores não teriam bom gosto para fruir do pequeno écrã) : a televisão é precisa para, pelo entretenimento, alargar o gosto ( cultural) de grandes massas de espectadores.
Ainda recentemente, neste jornal, Eduardo Prado Coelho lançava a palavra de ordem: combater a ideologia da facilidade. Provavelmente foi isto que Gutemberg tentou fazer. Acredito não ser fácil, naquela época, como sei não o ser nos dias de hoje. John Fust, sócio de Gutemberg e financeiro do projecto, deslocou-se a Paris, à Universidade da Sorbonne, onde havia já dez mil alunos, para tentar trocar as Bíblias por alguma moeda da época. Não esperava, certamente, ter que fugir para salvar a vida, pois a poderosa Confederação dos Profissionais ligados ao livro (desde os copistas, aos encadernadores) achou obra de Satanás ver um só homem dono de tantos exemplares e, imagine-se ... exemplares rigorosamente iguais. Felizmente para nós, leitores do século XX, nem Gutemberg, nem Fust, cederam à ideologia da facilidade, sugerida por estes episódios. Pelo que fica descrito, bem o poderiam ter feito, desistindo da imprensa e apoiando a tradicional cópia manual da escrita.
Entre nós, nos dias de hoje, a ideologia da facilidade está instalada por todo o lado, e , por isso, também na televisão. "
 
José Carlos Abrantes | 11:28 da manhã |


0 Comments: