<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, maio 23, 2006
OLHO NEGRO, um colectivo de fotografia documental
Eis como se apresenta este colectivo de fotografia documental: OLHO NEGRO, fundado em Abril de 2006, é a vontade conjunta de Pedro Guimarães e Nelson d'Aires em não baixar os olhos contra as adversidades do mercado da fotografia documental em Portugal, para isso foi criado este colectivo e este espaço.

Sabemos que o efeito globalização acelerou o tempo. Ainda assim o colectivo Olho Negro pretende abrandar a velocidade dos dias e para isso quer contar histórias com tempo e sem validade de expiração.

Olho Negro pretende construir ensaios fotográficos e histórias com uma visão que suscite perguntas e que essas questões melhorem o nosso entendimento para com o mundo que nos rodeia.

Este colectivo confia a sua força na escolha da personalidade dos seus fotógrafos que se quer isenta, crítica e humana. Só assim é possível sentir e contar as histórias com os nomes certos.

O Olho Negro não esconde o sonho ou a falta dele, não fecha os olhos, mesmo que isso por vezes resulte num hematoma a este próprio colectivo."

Boa metáfora no nome e um esforço de cooperação num domínio pouco trabalhado entre nós, a fotografia documental, justificam a chamada de atenção.
 
José Carlos Abrantes | 6:54 da manhã |


0 Comments: