<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
sexta-feira, junho 02, 2006
ECRÃS EM MUDANÇA
Um dos textos é sobre

Os jovens e a Internet: de que “público” se trata?
Jacques Piette
Universidade de Sherbrooke

Resumo
No domínio da pesquisa em comunicação de massas, a análise do público jovem ocupa há muito tempo um lugar muito especial. Realizam-se actualmente numerosos inquéritos com o objectivo de estudar a relação entre os jovens e os media, em particular no que diz respeito à televisão.

No entanto, o retrato que resulta desses elementos de pesquisa causa perplexidades a muitos níveis, pois dá lugar a uma panóplia de posições teóricas difíceis de conciliar, desde a visão alarmista do público passivo, vulnerável, entregue aos efeitos poderosos e perniciosos dos media, àté à celebração da liberdade total do público “naturalmente crítico” – mercê da sua familiaridade e do seu grande conhecimento – que utiliza os media a seu bel prazer, em função das suas necessidades e das satisfações que procura. Entre os dois extremos, encontra-se de tudo, quer sobre os efeitos indirectos e cumulativos dos media, quer sobre os comportamentos e atitudes, ou sobre as percepções que o público jovem tem de si mesmo e do mundo. E é com base nestas posições contraditórias que a educação para os média procura hoje encontrar pistas de intervenção susceptíveis de consenso, tentando estimular a criação duma “distância salutar” favorável ao desenvolvimento da autonomia crítica do jovem em relação aos media.

O aparecimento dos “novos media”, e em primeiríssimo lugar da Internet, veio relançar hoje, mais uma vez, o debate sobre a natureza específica do público jovem. À luz de um inquérito realizado no Quebeque, em França, Portugal, Espanha, Bélgica e Suíça, sobre a percepção, utilização (em casa e na escola) e apropriação da Internet pelos jovens, procura-se explorar as questões ligadas à concepção que se tem do público jovem – se é que ele existe – considerando as relações que este público estabelece com a cultura do écrã adquirida em contacto com os “novos media.
 
José Carlos Abrantes | 10:57 da manhã |


0 Comments: