<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
sábado, novembro 18, 2006
FALAR DE IMAGENS Direito à Imagem
Hoje, sábado, o Público, na secção Media, faz um relato do Debate na Almedina
"O direito à imagem ou "a boa e a má" fotografia
Ana Machado

Um jornalista, um advogado e um fotojornalista discutiram até onde pode ir a objectiva da máquina fotográfica

Da fotografia de rua ao jornalismo de cidadãos, passando pelo fenómeno paparazzi, são muitas as hipóteses que a captação de imagem tem para pôr à prova o direito à imagem de cada indivíduo. Um jornalista, um advogado e um fotojornalista juntaram-se na quinta-feira em Lisboa, a convite da livraria Almedina, para debater, no âmbito do Ciclo Falar de Imagens, onde fica a lei e até onde pode ir a lente da máquina.
Philip-Lorca diCorcia, célebre fotógrafo de rua, decidiu, em 1999, instalar um tripé e uma máquina fotográfica em plena Times Square, em Nova Iorque e, seguindo a velha tradição da fotografia de rua, à boa maneira de expoentes máximos como Henri Cartier-Bresson, tirou uma série de retratos de anónimos que por ali passavam. O trabalho durou dois anos e terminou numa exposição muito apreciada. O estado de graça da mostra durou pelo menos até Erno Nussenzweig, judeu ortodoxo, ter apanhado o catálogo, por acaso, e ter descoberto que tinha sido um dos anónimos apanhados pelos instantâneos de diCorcia. Chamou o advogado e exigiu não só que retirassem a sua fotografia do catálogo, como exigiu dois milhões de dólares de indemnização compensatória."(...)


Acrescento mais algumas palavras de Fancisco Teixeira da Mota. Os enquadramentos não são famosos, mas o que conta são mesmo as palavras sobre as imagens.

 
José Carlos Abrantes | 11:21 da tarde |


0 Comments: