<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quarta-feira, dezembro 31, 2008
AZUL
Michel Pastoreau no livro Bleu: Histoire d'une Couleur, que releio, faz uma história desta côr. A história da côr não se limita ao domínio artísticos. A história da pintura é uma coisa a história das cores outra, bem mais vasta. Basta ver a importância que MP dá ao domínio artesanal, como o trabalho de coloração de tecidos, para compreender que este alargamento de campo se justifica: "a côr é por essência um terreno transdocumentário e transdisciplinar."

A côr é um facto de sociedade, cultural. MP desconfia e toma distâncias em relação aos autores que investigam sobre as verdades universais ou arquetipais da côr. A côr tem os seu sentido na história, nas pessoas que a fabricam, física e simbólicamente. Por isso o azul era detestado pelos romanos, que viam nele a côr dos bárbaros sendo hoje a côr largamente preferidas dos europeus. Mudam-se os tempos, mudam-se as cores.
 
José Carlos Abrantes | 8:43 da manhã |


0 Comments: