<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, abril 01, 2003
01-04
A IMAGEM DAS CIDADES

1 Pode ser uma mentira do 1 de Abril e provavelmente é. O Publico noticia que Santana Lopes encomendou a Christo uma intervenção na Ponte 25 de Abril. Assim me surge a imagem mental de uma ponte embrulhada em panos que voariam, seguramente, com o primeiro vento mais forte…
Mas não deixa de ser importante que a imagem das cidades seja acarinhada pelo respeito das marcas do passado e pelas intervenções que, no presente, irão marcar o futuro. E esse (des)respeito vem de todos, não apenas dos autarcas. A imagem das cidades passam também pelos cidadãos que as habitam. Vi, hoje, de manhã passeios amontoados de carros com uma velhinha de bengala andando, lentamente, na faixa de rodagem. São as imagens que geramos...

2 No DN uma foto de John Moore da AP, na primeira página, ilustra o avanço aliado e mostra segundo a legenda, o ataque americano a Hindiyah. São também imagens de uma cidade, de uma ponte, onde três soldados armados e expectantes se confrontam com os inimigos que não vemos mas também com uma mulher, sentada no tabuleiro, numa posição como adoptam os nossos mendigos… Uma mulher no meio das bombas, uma oposição entre o civil e o militar. Imagens de outra cidade, de outra tecnologia, de outros homens. Imagens que geramos.
Uma perspectiva de real como mostra Frederic Lambert no texto
Quatre niveaux de lecture d'une image photographique de presse, pags 39-42, in Le photojournalisme: informer en écrivant des photos, Paris, CFPJ,








 
José Carlos Abrantes | 5:25 da tarde |


0 Comments: