<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, junho 20, 2005
DOCUMENTÁRIO II

A Leonor Areal enviou-me um comentário ao que escrevi e autorização de publicação:

"Concordo consigo que esse filme (que já vi na Gulbenkian, numa espécie de seminário específico sobre cinema português, em Março último creio) não seja a chave ideal para fecho de um ciclo de cinema documental, pois reflecte sobre ficções, embora esse episódio específico seja sobre a paisagem, que é uma componente documental em qualquer ficção, e parece-me relacionada tematicamente com alguns dos filmes programados este ano para Serpa. Por vezes é interessante comparar ficções e documentários nos seus pontos de contacto.

Por outro lado, as fronteiras do documental são muito incertas. Há o documentário sobre o real, mas há também o (clássico de tv) documentário sobre um assunto cultural, histórico, científico ou outro, a que também se chama documentário, embora os documentaristas "sociais" se procurem arvorar em "verdadeiros" documentaristas, mas a patente não está registada por nenhum grupo...

Quanto aos concursos, verifica-se essa separação muito útil, mas também é verdade que o gosto dos júris recai em grande parte sobre documentários que servem frequentemente ou a efeméride cultural ou a biografia artística. Comparados com estes ou com o documentário em episódios de Manuel Mozos - já há anos apoiado, e apoiado novamente no último concurso - sobre a história do cinema português, o filme O Nosso Caso é muito mais inocente nesta disputa de subgéneros, pois é um filme-ensaio, uma visão criativa sobre um objecto, uma matéria fílmica. É claro que é pena que tenha uma imagem tão precária, a Gulbenkian só pagou isso, mas caberá na categoria dos filmes de workshop, ou talvez numa área de estudos sobre cinema paralela à crítica e aos estudos fílmicos, discursos baseados na citação.
E todas estas questões não foram discutidas após o visionamento? "

NOTA: Por razões profissionais inadiáveis não pude assistir ao debate final. JCA
 
José Carlos Abrantes | 10:41 da tarde |


0 Comments: