<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, novembro 20, 2006
A FÁBRICA DO OLHAR Excerto Capítulo XVII
Capa do Livro A Fábrica do Olhar
Capítulo XVII OLHARES SUBMARINOS Jean Painlevé (1907-1989)


O aparecimento da câmara

Se não tivesse uma câmara, se dispusesse apenas da máquina fotográfica, Jean Painlevé nunca teria dado a descobrir aos seus contemporâneos o beicinho amuado do hipocampo ou a pá em cruzes da cauda dos camarões. O facto de os seus filmes serem «biológicos», como dizia de si próprio, não significa que obedeçam às regras do documentário científico clássico. É verdade que convidam à descoberta das espantosas formas dos invertebrados marinhos, mas não «ensinam» nada, se «ensinar» consiste em transmitir conhecimentos escolares. Esse não é o seu objectivo. O seu cinema procura, inventa, funda.
A obra cinematográfica de Jean Painlevé continua a ser ainda pouco conhecida; no entanto, marcou fortemente o público sem televisão da época anterior à Segunda Guerra Mundial. As suas imagens inauguraram, para o grande público, a descoberta dos invertebrados marinhos. O filme O Hipocampo, realizado em 1935, acompanhado de comentários deliberadamente antropomorfos, conheceu um verdadeiro sucesso público. O espantoso cavalo-marinho era usado em broches, brincos e bordado nas camisolas, como um sinal de ligação ou de pertença. Na verdade, Jean Painlevé, o chistoso, divertia-se a eliminar as fronteiras. Detendo-se neste peixe macho que toma conta dos filhos na sua bolsa ventral, demonstrava que a divisão social do trabalho entre homens e mulheres não tinha fundamentos biológicos. E no metropolitano falava-se destas mudanças na divisão das tarefas. O hipocampo tornara-se – para todos – emblema de aspiração à liberdade.
 
José Carlos Abrantes | 12:47 da manhã |


0 Comments: