<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, novembro 18, 2008
IMAGENS INFELIZES
Pessoas infelizes vêem 30% mais televisão

A televisão é o «ópio e o refúgio» das pessoas infelizes e, além de não trazer nenhum benefício a longo prazo, afasta-as de actividades «mais proveitosas», de acordo com um estudo, publicado pela companhia Springer Science+Business Media.

Intitulada «O que nos faz felizes?», a investigação analisou o nível de felicidade das pessoas em função das suas actividades quotidianas, destacando que ver televisão é um dos factores que provoca infelicidade, ao mesmo tempo que se converte num «vício para as pessoas mais vulneráveis».

A caixa mágica produz «momentos breves de prazer», mas o seu consumo, a longo prazo, pode levar «à tristeza e a lamentos», principalmente em pessoas «com poucas capacidades sociais». O consumo diária de televisão é 30% superior nas pessoas infelizes, em relação a pessoas mais felizes, enquanto nas pessoas com uma felicidade «intermédia» é apenas 10% superior.

O estudo revela ainda que as pessoas que não estão satisfeitas com o seu matrimónio passam mais 10% em frente ao televisor do que as pessoas felizes. Conclusões contrárias às recentes análises da Universidade de Princeton, que consideraram a televisão uma actividade «altamente recomendável, que melhora a qualidade de vida dos utilizadores».


Parece-me que esta notícia (não terá sido escrita de modo algo apressado ou pouco reflectido?) confirma, a contrario, que a televisão causaria felicidade a 70% das pessoas (inquiridas, obviamente). Confirma que os (inquiridos) não satisfeitos com o matrimónio passam mais 10% do seu tempo a ver televisão (não se sabe se, a estes, a televisão provoca mais infelicidade ou, pelo contrário, felicidade.
in Diário Digital de hoje
 
José Carlos Abrantes | 10:10 da manhã |


0 Comments: