<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
domingo, abril 06, 2003
IMAGENS DE GUERRA

1 No editorial de José António Saraiva, no Expresso, reconhece-se que a guerra não estará terminada "se Saddam continuar a aparecer nos écrãs, em imagens verdadeiras ou forjadas, em pessoa ou na pessoa de um sósia…". A vida que as imagens têm….

2 Por outro lado, pode ler-se uma interessante peça no Público, no regresso de Bagadad de Paulo Camacho e Renato Freitas, jornalista e repórter de imagem da SICO primeiro diz ter sentido uma certa frustação pois, ao sair, apercebeu-se que o fim da guerra poderia estar próximo. Vale a pena ler a peça para perceber como o olhar é uma relação social "É um trabalho à distância. De voyeur", diz Paulo Camacho. "Filma-se de uma varanda. Quando se vai para o terreno vamos completamente controlados", acrescenta Renato Freitas. "Não se pode checar a informação, ir aos hospitais, andar a ver o que se está a passar. E não há 'espaço'. Andamos num grupo de 100, 200 jornalistas".
Diz ainda a peça: "O que os repórteres da SIC Paulo Camacho e Renato Freitas viram ontem, ao abandonarem Bagdad de regresso a Portugal, após uma estadia de dois meses no Iraque, convenceu-os em definitivo de que o regime de Saddam Hussein não tarda a cair. "Passámos por vários controlos da Guarda Republicana. Canhões com eixos partidos, tanques avariados, camiões voltados - teriam que ser grandes soldados para fazerem frente aos norte-americanos", contou o pivot da SIC ao PÚBLICO." Ou seja, mudando de posição social (de repórter a não repórter) o jornalista transformou o seu olhar pois pôder ver o que, como repórter, nunca poderia ter visto….Paradoxos do trabalho jornalístico em tempo de guerra.


 
José Carlos Abrantes | 2:52 da tarde |


0 Comments: