<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
sábado, abril 12, 2003
IMAGENS DE ONTEM

1 Não posso deixar passar sem referência a excelente reflexão de ontem no Público, de Eduardo Prado Coelho sobre A urgência das imagens.
"Mas o formato informativo e o formato narrativo vão cada vez mais neste sentido: por um lado, restringem-se progressivamente às imagens em detrimento dos textos; por outro lado, produzem imagens cujo tempo de recepção é tão rápido que elas são feitas afinal para nem sequer serem vistas como imagens. O mecanismo funciona em termos tais que podemos dizer que as imagens servem para empobrecer o texto, tal como o texto empobrecido serve para empobrecer as imagens. "
Um dos aspectos interessantes da análise de EPC é o de que o texto não tem superioridade em relação à imagem nem esta sobre aquele. A grande maioria dos nossos intelectuais parte de uma premissa falsa de que o texto se associa ao rigor, à riqueza intelectual, sendo a imagem associada à emoção, ao empobrecimento.cognitivo. E isto depois de o cinema, a pintura e televisão , por exemplo, terem enriquecido os nossos percursos intelectuais, as nossa emoções, as nossas relações com nós mesmos e com os outros.
O outro aspecto que me parece de sublinhar na análise referida é o de as imagens exigirem que equacionemos outros factores para não ficarmos presos no seu interior, para ponderarmos outros factores que não dependem da visão. Por isso importa falar das imagens, escrever sobre as imagens, e ter experiencias outrsa para além das imagens. Como para além das palavras também…

2 Enquanto no Porto fiz um contacto com o Abi Feijó que está com dificuldades na gestão da Casa da Animação. Pensada num tempo, a Casa da Animação está agora em banho maria à espera de melhores dias. Esperemos que uma reunião marcada para o fim deste mês possa desbloquear a situação dando ao Abi meios para este desenvolver a arte que escolheu e onde tem um amplo reconhecimento internacional pela grande qualidade dos trabalhos que tem criado.
O Abi Feijó mostrou-me o excelente espaço que conseguiu perto do Palácio de Cristal,e mostrou-me as retrospectivas, ateliers e actividades que fez antes da Casa da Animação abrir.

3 Numa peça de paulo Moura (Público) intitulada Todos os soldados americanos viram de mais fala-se de um tipo de imagens raramente referidas, embora sejam aquelas que nos habitam em permanéncia: as imagens naturais (as que resultam da percepção) e que, depois, se transformam em imagens mentais (embora nem todas as imagens mentais resultem directamente da percepção, como por exemplo os sonhos). "Casswell já não ri. É como se estivesse a ver de novo as crianças, as mulheres, os velhos a correrem e a tropeçarem na sua própria morte, colocada ali, à sua frente, inesperadamente, traiçoeiramente.
Casswell vê tudo isto de novo e voltará a ver, milhares de vezes, de cada vez que fechar os olhos, de cada vez que sonhar, de cada vez que tiver vontade de rir."
Para este assunto pode recorrer-se a Villafañe, pp 44-47, onde além destas duas categorias este autor refere as imagens criadas (as que não permitem cópia exacta) e as imagens registadas (aquelas que, podem ser copiadas de forma fidedigna, como as imagens de cinema)

Villafañe, Justo (1992). Introducción a la teoria de la imagen. Madrid: Ediciones Piramide (1ª edição 1985)

 
José Carlos Abrantes | 4:39 da tarde |


0 Comments: