<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, dezembro 02, 2003
ANALOGIA

A analogia é uma relação da imagem com a realidade sensível que faz que possamos estabelecer identidades entre a imagem e aquilo que ela representa . A imagem de René Magritte, Ceci n’est pas une pipe(Isto não é um cachimbo) representa um cachimbo na imagem, sendo a legenda a negação desta evidência. O cachimbo de Magritte é parecido com a realidade, pois assemelha-se a um cachimbo, mas não é a realidade pois não é um cachimbo. Magritte chamou a esta sua pintura A traição das imagens pois estas, por mais analógicas que sejam, são sempre imagens, logo não realidades. O pintor interrogado sobre isto declarou que os que pensam que essa imagem é um cachimbo deveriam então experimentar enchê-lo de tabaco ou fumar por ele. Ou seja, mesmo as imagens mais analógicas são expressão de convenções ao nível da expressão (neste caso, por exemplo, falta a tridimensionalidade do objecto ou o tamanho desta imagem cachimbo não encontra correspondência no objecto corrente cachimbo, pois a dimensão do quadro, de 1929, é de 60x81 cm).

Neste sentido também Ernest Gombrich, que defende

1 que toda a representação, por mais analógica que seja, é convencional ( a dimensão, os enquadramentos, as cores, etc).
2 que haverá convenções mais "naturais" que outras (por exemplo, a perspectiva natural criada pelos renascentistas pintando como o olho humano vê seria mais natural do que as convenções cubistas).

Bibliografia

AUMONT, J., A imagem, Campinas, Papirus Editora, 1993 (1º edição francesa 1990)
PAQUET, M., Magritte, Köln, Taschen, 1995

Um site

Magritte
 
José Carlos Abrantes | 12:25 da tarde |


0 Comments: