<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, fevereiro 23, 2004
IMAGEM DE PINTURA, IMAGEM DE CINEMA

A Rapariga com Brinco de Pérola, de Vermeer e de Peter Webber

A crónica de João Lopes no DN de sábado tinha como objecto o filme Rapariga com Brinco de Pérola, dirigido por Peter Webber. O filme baseia-se na vida de Vermeer , um pintor que morreu novo, que pintava poucos quadros e que só foi bastante reconhecido a partir do século XIX. De forma mais directa o filme resulta de um romance de Tracy Chevalier e tem para os portugueses um atractivo suplementar: o da fotografia ser feita por Eduardo Serra e de o filme ter sido nomeado para os Oscares nesse particular. Pessoalmente gosto muito da obra de Vermeer que alias incluia nos pintores que estudavamos na cadeira de Teoria e História da Imagem.

Segundo João Lopes a atracção de Vermeer pela jovem modelo de um dos seus quadros mais conhecidos vem ….”sublinhar o sentido de interdito que a criada instala na pintura de Vermeer. Mais do que aquela que ele não deveria pintar (em todo o caso, como único elemento humano de um quadro), ela é também uma personagem que o obriga a refazer a sua relação com a luz e a repensar a própria figuração do corpo.” Interessante que um outro interpele alguém, pela presença, obrigando a requacionar posicionamentos, valores, sentimentos ou opções estéticas que estavam solidificadas ou pareciam mais firmes, antes da relação.
 
José Carlos Abrantes | 4:24 da tarde |


0 Comments: