<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, agosto 18, 2003
IMAGENS DE TELEVISÃO: O JORNALISMO

Na crónica de hoje Eduardo Cintra Torres assinala a teia de cumplicidade entre o jornalismo e as imagens de promoção de filmes fabricadas pelos produtores.

O texto fala de três apagões a propósito do que aconteceu nos EUA. Eis como ECT fala do segundo apagão: "tornam-se mais frequentes as noticías sobre estreias de filmes comerciais nos noticiários televisivos. Isso seria normal e útil se as notícias o fossem realmente. Não são. Trata-se de promoção ou mesmo de publicidade inserida nos noticiários: o texto promove o filme; as imagens são os próprios clips publicitários criados pelos estúdios americanos, incluindo as frases publicitárias; os critérios são sempre os dos estúdios e nunca do jornalismo ou da crítica. São os operadores de TV pagos para incluirem estas "notícias" nos telejornais? Ou apenas aproveitam acriticamente os materiais de promoção que lhes são enviados pelos estúdios?

Esta publicidade é frequente também na rádio, seja nos canais privados seja nos públicos, como na Antena 2, onde costumo ouvir promoções acríticas de filmes. Ainda não vi os deontólogos do costume falarem deste apagão da crítica. Julgo que os jornalistas deveriam ser informados sobre o erro em que incorrem neste tipo de publicidade; e os operadores de TV deveriam dizer-nos quais os trâmites que os levam a fazer publicidade gratuita nos telejornais, o que é provavelmente ilegal."

Não haja dúvida: ha coisas que se apagam de um momento para o outro, sem sabermos como nem porquê. Mas a veia crítica do jornalismo não se deveria apagar assim....
 
José Carlos Abrantes | 11:52 da tarde |


0 Comments: