<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
terça-feira, agosto 19, 2003
IMAGENS NA IMPRENSA

Nao me refiro ás fotografias, ou outro tipo de imagens, que diariamente são publicadas na imprensa e a que, aliàs, por vezes, me refiro. Trata-se antes de notícias e artigos que falam das imagens, das nossas relações com as imagens. Começo, em regra, o dia activo num café a tomar a primeira refeição do dia ou a bica e a ler o Público e o Diário de Notícias (por vezes junto outros elementos a esta magra dieta mediática: o Le Monde, raramente, o Expresso, a Visão). Mesmo assim, ao começar o dia, já tenho o “meu” mundo de informação que, amiúde, me lembro de partilhar, mais tarde pela net, mandando um ou outro artigo a algum amigo mais chegado.

Ora na leitura da imprensa há dias em que as reflexões sobre as imagens são escassas, outros em que são abundantes. Hoje chamaram-me a atenção vários textos e notícias.

IMAGENS: COMO SÃO FABRICADAS

Esquecemos, por vezes, que a construção das imagens não é sempre feita em condições de tranquilidade e paz, de criatividade e fascínio. Jornalistas Pedem Inquérito à Morte de Operador de Câmara da Reuters em Bagdad De salientar que os soldados envolvidos na morte de Mazen Dana referem tê-lo confundido com um assaltante equipado de um lança granadas. Armas físicas e câmara de video são aqui equiparadas dada a posição física em que uma e outra são assumidas. Mas os obuses e as imagens podem também provocar estragos, uns físicos, outros a nível das transformações mentais que as imagens podem induzir (e também reacções físicas de repúdio ou adesão, de horror ou deleite). Apetece lembrar a forte metáfora de José Mário Branco, "A cantiga é uma arma" e transformá-la nesta outra: "A imagem é uma arma". Que pode ser de morte. Descansa em paz, Mazen Dana, morto quando recolhia imagens para eu ver (nós vermos).


IMAGENS E ZAPPING

No DN, José Medeiros Ferreira dá-nos conta do seu interesse pelo zapping, o que também aprecio. Diz JMF: “Habituei-me ao zapping global com a televisão via satélite. Quando me rendi ao cabo há poucos anos, já sabia o circuito com as melhores paragens: Sky News, CNN, TV5, Arte, Euronews, BBC World, TNT, e pouco mais_

Com a TV Cabo apurei o sentido da montagem. Nas longas maratonas dos telejornais poupo-me tanto como as estações portuguesas: dou a volta toda e ainda apanho os comentadores residentes nas mesmas posturas.” Eu, às vezes, apanho-o a ele…..

Aliás, a este propósito, vale a pena ler um texto de um Curso da Arrábida que organizei em 2001, curso intitulado, Públicos, Televisão. Jostein Gripsrud , um investigador norueguês, dá algumas pistas sobre o zapping na televisão digital que, em 2001, já proporcionava aos noruegueses cerca de 1500 canais. Um grande desafio espera o José Medeiros Ferreira, por oposição à monotonia dos 4 escassos canais que ele pode ver na Azóia.


IMAGENS NAS PALAVRAS

No título de uma notíca do Público o tribunal passa a fotógrafo, pelo uso da metáfora, uma imagem construída com palavras: Tribunal tira o retrato social a arguidos do caso Moderna.
Não é só o dr Soares que usa metáforas, como se pode ver.

IMAGENS DE CINEMA

Vale a pena ver também a notícia sobre a não exibição na Turquia de um filme actualmente a passar nas nossas salas: Ararat. Trata-se de um filme sobre um genocídio arménio em 1915. E aí está como uma ficção pode interferir directamente com a vida social e política. Na notícia lembra-se um outro filme, também de ficção que, há 25 anos, incomodou igualmente as autoridades turcas: O Expresso da meia noite, um filme de Alan Parker que denunciava as condiçoes duríssimas das prisões da Turquia e o pouco respeito pelos direitos humanos nesse país.




E ainda há mais, no Público: a recomposição da amostra da Marktest para medir as audiências de televisão (nova amostra que reflecte o peso crescente da televisão por cabo) ou a eterna questão do papel da violência e sexo na publicidade.
Ainda sobre as audiências pode ver uma perspectiva de crítica radical a este conceito, num texto de Tod Gittlin , texto apresentado e discutido no mesmo curso.
 
José Carlos Abrantes | 1:12 da tarde |


0 Comments: