<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quarta-feira, março 03, 2004
GRANDE PLANO

Vejamos hoje uma fotografia de Man Ray. Cerca de cem anos se passaram sobre a fotografia de Daguerre. O grande plano, de início ausente na fotografia e no cinema começara a ganhar popularidade. Mas com muitas reservas pois os espectadores desconfiam, criticam, não acham natural que uma cabeça possa caminhar sem o corpo e sem as pernas.
Olhamos para esta fotografia e compreendemos que a sua grande beleza deriva de uma construção: olhar apenas um pormenor é algo que tem a ver com um olhar parcelar, dirigido, concentrado, permitido por uma prótese da visão humana, a das lentes. Compreendemos que a força das lágrimas pode ser evocada com mais propriedade a partir de um grande plano do que através de um plano geral, em que a lágrima se dilui no conjunto da pessoa fotografada. Neste caso trata-se, não de uma restrição técnica que modifica o objecto na sua representação, mas de uma potencialidade técnica com o mesmo resultado. Mas essa potencialidade dá outro sentido às lágrimas ( ou aos sorrisos).
 
José Carlos Abrantes | 11:57 da tarde |


0 Comments: