<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
quarta-feira, agosto 27, 2003
MARTE

Hoje, 27 de Agosto, Marte aproxima-se da Terra quanto já não acontecia desde há 60 mil anos e só em 2287 terá uma posição semelhante. Daí que este acontecimento provoque uma verdadeira "mundialização" do olhar, levando os habitantes de Lisboa, Seatlle, Florianópolis, Hong Kong, por exemplo, a olhar para os céus e usufruir deste momento único que o olhar proporciona (se as nuvens o permitirem).

Ora Marte tem sido um dos planetas mais fotografados dos últimos 20 anos desde as sondas Viking, no fim dos anos 70. "A fotografia é a verdadeira retina do sábio", declarou Jan Janssen, um astrónomo. Seguindo esse princípio varias sondas têm feito milhares de fotografias (mais de 50 mil pelas Viking, depois segui-se a Pathfinder, em 1997 e mais recentemente o gigantesco telescópio Hubble).

As imagens de Marte, bem como outros dados, acabaram por quebrar o imaginário da vida em Marte que foi amplamente alimentada pela ciência, no século XIX. De facto, astrónomos como o italiano Sciapparelli e o americano Lowell defenderam a ideia, o primeiro de canais que na Europa foram assimilados a redes de caminhos de ferro, então em grande expansão. Nos EUA foram vistos mais como canais de irrigação levando para Marte a seca do sudoeste americano. Assim os habitantes de Marte teriam uma civilização avançada com as suas linhas férreas e os seus sistemas de irrigação complexos.

A literatura (H.G.Wells), o cinema (Marte Ataca, de Tim Burton, por exemplo), a rádio (a Guerra dos Mundos, de Orson Welles) fazem parte do universo ficcional que a ciência havia alimentado. As imagens recentes vieram dizer que, afinal, tudo não passava de um sonho. Neste caso até o sonho se integrou na ciência, na literatura, na rádio: as imagens ajudaram a desfazê-lo, paradoxalmente, elas que são acusadas de ser, por via de regra, uma fábrica de sonhos.

Interessante também o peso tecnológico da fabricação destas imagens: missões espaciais são planeadas para esta recolha, potentes telescópios são construídos, o seu envio de Marte para a Terra exige complexas transmisssões. Ainda há quem pense que as imagens só vivem pelo sentido que criam.. E os dólares que são precisos para as fabricar? E as políticas sociais, científicas, tecnológicas que se constroem (ou deixam de construir) para esses imagens serem obtidas? E a tecnologia que se lhes associa? As imagens são relações…nem sempre relativas ao seu sentido, à sua significação. A imagem também tem reação co o dinheiro, a ciencia, o imaginário social, entre outros.

Ver SICARD, M., La fabrique du regard, Paris, Odile Jacob, 1998
 
José Carlos Abrantes | 8:12 da tarde |


0 Comments: