<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, setembro 22, 2003
IMAGENS DO BRASIL

Depois de uma passagem pelo Intercom que se realizou em Belo Horizonte, no Brasil, descansei uns dias no Rio. Aí fui várias vezes à Livraria da Travessa, na Visconde de Pirajá, livraria que adorei quer pelo seu design, quer pelas suas reservas em livros, quer pela parte audio e video (DVDs), quer pelo facto de nela existir um bom restaurante onde jantei por mais do que uma vez. Aberta até à meia noite, também. Das livrarias presentes no Congresso e das do Rio trouxe vários livros quase todos sobre imagens, mais um pequeno texto de João Guimarães Rosa, A Hora e a Vez de Augusto Matraga, um livro de Contos do mesmo autor, um livro de Rui Castro, Carnaval em fogo..etc.

Dos livros de imagem que já li refiro um sobre a fotografia do Império, da autoria de Pedro Karp Vasquez. Já tinha assinalado neste blogger que D. Pedro se interessou fortemente pela fotografia que entrou no Brasil poucos meses depois do seu anúncio oficial em 1839, em Paris. Logo em Janeiro de 1840 um abade francês, Louis Compte, fotografou diferentes locais do Rio de Janeiro, conta Pedro Vasquez. Segundo o autor "existia em meados do século XIX uma carência de vistas do Brasil, país até então muito pouco representado, já que durante o período colonial os portugueses tinham proibido terminantemente que se pintassem paisagens, para evitar o atiçamento da cobiça dos invasores europeus."

Ainda hoje retenho a beleza de alguns lugares vistos, mas que hoje são partilhados mundialmente, para felicidade de todos e raiva dos colonialistas (nos túmulos...). É uma imagem inesquecível aterrar no Rio , ver o Corcovado ou ver o Rio a partir do Corcovado, os jardins planeados por Burle Marx ou mesmo a Rocinha quando vista de certas perspectivas. As imagens que vemos com os nosso olhos, as imagens naturais, na terminologia de Villafañe, são elas também, imagens importantes que incorporamos em nós e nos acompanham no que sentimos e pensamos, na nossa cultura. Infelizmente também são inesquecíveis as imagens de violência com que me deparei logo no segundo dia da estadia, na bela praia de Ipanema.

O livro tem interesse pela descrição da actividade dos primeiros fotógrafos no Brasil, alguns dos quais de origem portuguesa.

Vasquez, Pedro K., A Fotografia do Império, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editores, 2002

 
José Carlos Abrantes | 11:43 da tarde |


0 Comments: