<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
sábado, janeiro 24, 2004
CINEMA

Fui ontem ver o filme de Sofia Coppola , Lost in Translation, título traduzido para O amor é um lugar estranho. Preferia o Amor Acontece (mas já há um…), ou O amor existe, fórmula usada no título do artigo de hoje de João Lopes. De facto, como este diz, citando o cartaz do filme, todos queremos ser encontrados. Diz ainda João Lopes que este filme pertence a uma tendência contemporânea do cinema (e também de algumas formas de ficção televisiva) em que a valorização das emoções humanas se constitui como um valor fundamental. Cinema e emoção são dois amigos de longa data. Neste caso, trata-se de um filme em que os gestos, os olhares e as palavras fazem valer a ternura que, por vezes inesperadamente, irrompe entre dois seres humanos. “Trata-se de filmar olhares que, como este, nos dizem apenas que o amor existe. E que um ser pertence a outro apenas…porque sim. Nem que para o compreendermos seja preciso ir a Tóquio.” Longe de mais para os portugueses, talvez…
 
José Carlos Abrantes | 1:16 da tarde |


0 Comments: