<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d4000921\x26blogName\x3dAs+Imagens+e+N%C3%B3s\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dLIGHT\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://asimagensenos.blogspot.com/\x26vt\x3d8145402830606333396', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, janeiro 26, 2004
EDUCAÇÃO PARA OS MEDIA

António Granado, no sábado, no Ponto Media , revela que a ministra britânica da Cultura acha que a literacia mediática é tão importante como a matemática e as ciências. Espero que o Ministro da Educação britânico esteja também de acordo. Lembro que um ex-ministro do governo português me respondeu uma vez que a educação para os media era muito interessante, mas coisa não prioritária, pois o português, a matemática, a história, seriam assuntos de absoluta prioridade em relação a esta questão.

Segundo António Granado, ministra britânica da Cultura, Tessa Jowell, diz: "Acredito que no mundo moderno, a literacia mediática tornar-se-á tão importante como saber matemática ou ciências. Descodificar os nossos "media" será tão importante para as nossas vidas como cidadãos, como o entendimento da grande literatura é para as nossas vidas culturais".

É pela imensa influência da televisão, nas aprendizagens, nas predisposições, nas referências culturais que a recente polémica à volta dos manuais é bastante desajustada. O essencial são as horas de televisão que os alunos vêm e a inércia do Ministério da Educação que apenas se preocupa com a aprendizagem escolar, deixando de lado os alunos e a formação de professores nestes domínios. Ou seja, quem acredita que é possível educar e formar apenas nas salas de aula, deixando sem interferir a influência do pequeno écra na vida quotidiana?

Tessa Jowell
 
José Carlos Abrantes | 5:31 da tarde |


0 Comments: